Rede Temática de Equidade Racial

A Rede Temática (RT) de Equidade Racial nasce a partir da iniciativa de institutos e fundações representantes da filantropia e do investimento social privado (ISP) no Brasil, com o propósito de desenvolver e qualificar seus espaços de atuação desde uma perspectiva afirmativa da equidade racial. Contando com organizações importantes do campo no país, dispostas a mudar suas práticas e influenciar transformação no setor como um todo, esta Rede, ancorada pelo GIFE, quer contribuir para a ampliação da equidade racial nas organizações sociais de forma geral e para o fortalecimento das organizações negras no Brasil.

Organizações coordenadoras da RT de Equidade Racial: Fundação Ford, Fundação Roberto Marinho, Fundação Tide Setubal, Instituto Ibirapitanga, Instituto Unibanco, Itaú Social e Open Society Foundations

Há uma constatação comum e preocupante sobre o espaço ocupado pela temática do racismo e da equidade racial na composição e atuação do ISP, que é bastante reduzido, comprometendo os seus resultados e relevância. A RT de Equidade Racial coloca centralidade no racismo, permeando e aprofundando diversas outras desigualdades e, portanto, um recorte essencial e fundamental para fazer avançarem as atuações em outras temáticas caras ao setor.

O ISP conta com poder político, social e econômico dos doadores e, a depender dos aspectos que considera ou deixa de considerar em sua atuação, pode reforçar desigualdades existentes. Não se combate desigualdade sem combater o racismo. Sem equidade racial e de gênero não há democracia. Não há margem, assim sendo, para que institutos e fundações deixem de tratar da questão da equidade racial.

As estratégias de atuação da Rede estão centradas em identificar, organizar e comunicar suas experiências em diálogo com estudos relevantes já produzidos, oferecendo elementos sistematizados que possam ser experimentados por outras organizações e fortalecer e legitimar sua incidência, expandindo, assim, sua capacidade de reverberação. A Rede acredita fortemente que o debate amadurece quando prática e teoria ocorrem simultaneamente.

A Rede atua no sentido de ampliar os espaços de debate, troca e construção da equidade racial interna e externa das organizações sociais, sensibilizando e engajando institutos e fundações. Nesse caminho, deve verificar a equidade racial ampliada em suas composições (porta para dentro) e atuações (porta para fora), bem como impactar o desenho dos programas e projetos e a destinação de recursos para apoio às organizações negras, ao longo do tempo e do desenvolvimento suas ações.

Os esforços da Rede somam-se aos compromissos declarados na Década Internacional de Afrodescendentes da Organização das Nações Unidas (2015-2024), reconhecendo que os povos afrodescendentes representam um grupo distinto cujos direitos humanos precisam ser promovidos e protegidos. Somam-se, também, à Agenda 2030 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, considerando que a equidade racial deve permear as ações para alcançar esses objetivos, também numa perspectiva de risco à sustentabilidade dos resultados alcançados, caso não se considere assim.